terça-feira, 14 de abril de 2009

mais um par de asas

Comecei um curso de dramaturgia. Para escrever dramarturgia.
Há uns três anos já que eu venho entretendo essa idéia. Aliás, tenho três peças já começadas, duas no computador e uma na minha cabeça. Isso sem contar um roteiro de longa que estou ajudando meu marido a escrever.
Enfim... essas coisas todas, essas histórias todas ficam povoando a minha cabeça, mas sendo über- indisciplinada, não sento no computador e abro meu final draft pra escrever.
Minto, tem uma peça com já 12 páginas, um belo começo e a promessa de uma história bem intrigante, onde empaquei. Não sei por onde ir. Depois que comecei a escrever a trama mudou... começou a me levar por caminhos que eu não estou sabendo acompanhar - e também morro de medo de fazer qualquer coisa piegas.
Depois então de três anos de muito debate interno, tomei coragem e me inscrevi no Chicago Dramatists. Uma vez por semana tenho aula, para me instrumentar, para fortalecer meu processo e exercitar a arte de escrever.
Estou vendo aí uma grande possibilidade pra mim. Primeiro eu tinha medo de começar a escrever, 'garrar gosto' e acabar parando de atuar. No entanto, tenho mais e mais lido blogs de colegas atores que também escrevem, e isso me estimula.
Ainda não posso sequer pensar em escrever algo para mim mesma. Assim que me imagino num determinado papel, imediatamente, pinta uma censura. Começo a editar minha criação. Acho péssimo isso. Quero que meu escrever seja meu escape, o terreno para a expressão desvairada da minha criatividade. Óbvio que pretendo lapidar e editar, mas não dá pra fazer isso enquanto acesso o lado rico da minha psiquê, sob o risco de empobrecer meus temas. Cada coisa a seu tempo.
Antes de tudo, preciso parir essas histórias. Tirá-las de mim. Assim, do lado de fora, posso avaliá-las, analisá-las e decidir se elas tem condição e qualidades para irem adiante. Talvez algumas delas simplesmente precisem vir à luz para abrir espaço para outras histórias aparecerem. Ainda não sei. Mas agora estou decidida a descobrir.
Também me dei conta de uma coisa maravilhosa: escrever é um ofício que vai aliar minhas duas formações, combinando de forma absolutamente complementar, o jornalismo com o teatro, a arte de escrever com a arte de interpretar.

Um comentário:

eleonora disse...

P querida, faz todo sentido!!agora que me dei conta!